História e Canavial |

Archive for dezembro 2010

 

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 98
 

O DOCE DA MATA NORTE

Severino Vicente da Silva
 

Meus amigos,

Estamos no final do ano e este é um tempo de verificar o que fizemos, nos alegrarmos pelo que foi feito e também ver o que poderemos melhorar no próximo ano.  Um dos motivos de alegria é o que ocorreu com a Pretinhas do Congo do Baldo do Rio,  de Goiana. Este ano, o grupo cultural que é mantido pela população de pescadores e trabalhadores de várias artes manuais do Baldo do Rio, apresentou-se em várias cidades de Pernambuco, assumindo o seu lugar em nossa Nação Cultural.

Neste final de ano, a  Pretinhas do Congo do Baldo do Rio está fazendo um encontro histórico na cidade de Floresta, no Sertão do Pajeú. É a festa da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, na Igreja do Bom Jesus, onde ocorre a coroação do Rei e Rainha do Congo.  Festa dedicada a São Benedito,  marca o final e início do ano naquela cidade sertaneja que nasceu em torno da devoção de Nosso Senhor Bom Jesus dos Aflitos. Que alegria da Pretinhas do Congo nesta festa que tem mais de duzentos anos. Um grupo cultural da Mata Norte de Pernambuco na festa cultural do Sertão do Pajeú. Vale lembrar para os tradicionais folcloristas, que esta festa de coroaçao do Rei do Congo não se transformou em Maracatu e continua sendo realizada no interior da Igreja. A Irmandade de Nosso Senhor do Rosário dos Pretos de Floresta é Patrimônio Imaterial de Pernambuco.
 Outra alegria para nós foi a realização do Festival Canavial envolvendo Tracunhaém, Vicência, Nazaré da Mata, Condado e Goiana. Nossos grupos culturais estão cada vez mais cooperativos e animados. O Movimento Canavial está de parabéns, seja pela realização dos programas nas rádios comunitárias que, cada vez mais informam sobre a nossa cultura, nossos hábitos, nossas realizações, nossas dificuldades e nossos objetivos.
O Programa Canavial fica contente com a publicação do Jornal da Banda 28 de julho, de Condado, cada vez mais organizada e ativa, como também é ativa a Banda Curica de Goiana. Ficamos felizes com o Encontro de Ciranda realizada em Tracunhaém, e nos alegramos com o Encontro de Sanfoneiros de Vicência, que foram resultados de projetos nascidos e pensados e apresentados por gente e Pontos de Cultura de nossa querida Zona da Mata. Também vimos se realizados o Primeiro Encontro com os pequenos mestres da nossa cultura e o Priumeiro Encontro de Coquistas da Mata Norte.  Também aconteceu um curso de produção de instrumentos musicais. Foram tantas as iniciativas nascidas, construídas e realizadas na nossa Região da Mata Norte por pessoas daqui, por gente que a gente encontra na rua diariamente. Isso mostra que nós continuamos a ser um lugar de criação cultural e que a nossa juventude é uma juventude alegre, cuidadosa, criativa e que está construindo uma região cada vez melhor e mais consciente de si mesma.
Mas precisamos que as nossas escolas, os nossos professores, os líderes de nossas comunidades, os padres, os pastores, os babalorixás, os prefeitos, vereadores, juízes e todas as autoridades da região continuem a alimentar a esperança de nossa juventude, confiando nela e nas suas iniciativas. O verdadeiro doce da Mata Norte é a esperança e a certeza de nossas gerações.
Feliz Ano Novo com muitas realizações em 2001.
Esses são os desejos do Programa Canavial.

Para os dias 31 de dezembro de 2010 e 1º de janeiro de 2011

· ·

dez/10

23

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 97 

NATAL

 

presepio202

Severino Vicente da Silva

 

Meus amigos,

Nesta semana todos estão festejando o nascimento de uma criança que veio a se revelar, para muitos, como Filho de Deus. Embora a festa do Natal dessa criança que veio a ser conhecida como o nome de Jesus esteja, a cada dia sendo vista como uma festa de consumo de mercadorias, na verdade ela começou a ser celebrada de outras maneiras.

Primeiro essa festa foi celebrada como o Nascimento do Sol, o Sol da Justiça. A criança nasceu em um situação muito “aperreada”, pois, diz a tradição, que por causa de um recenseamento, seus pais tiveram que sair do povoado onde moravam para ir para o lugar onde nasceram: por isso, quando chegou a hora do menino nascer, e como não encontraram casa onde ficar, a criança nasceu numa estrebaria, bem pobre, tomando o lugar dos animais dormir. Mas como toda criança, ela ficou sendo o centro de atração de morava por perto e escutou o choro dela ao nascer. E a criança e sua família, foi visitada por pastores, por ciganos e ciganas; e foi visitada, também por três reis que tinham sabedoria suficiente para entender que a beleza e justiça não se confundem com riqueza e luxo.

Fazer um presépio na praça da cidade, na praça do povoado ou na casa das pessoas para lembrar o nascimento do Menino Deus, foi de um homem, conhecido como Francisco, nascido na cidade de Assis, faz uns 1800 anos.

A festa era muito ligada a religião dos cristãos, como ainda hoje, mas aconteceu que tem ocorrido muitas mudanças e, tem muita gente nos dias de hoje que não gosta muito de dizer que é religiosos e, tem mesmo gente que diz que não acredita que exista algum Deus. Mas o que é interessante nesta festa é que todas as pessoas que tomam conhecimento dela gostam de festejar e, como os Reis Sábios (a palavra mago era usada em lugar de sábio!), os pastores e as ciganas, também levam presentes para dar aos amigos. Assim, o Natal fica como se fosse uma grande festa de amigos e ela dá a sensação de que nós todos fazemos parte de uma só família: a família, a família dos que desejam alegria, felicidade, justiça e harmonia para todos os seres humanos.

Meus amigos, o Programa Canavial deseja a Todos que nos escutam, a todos que não nos escutam, a todos que conhecemos, a todos que não conhecemos, desejamos um Feliz Natal, uma feliz nascimento para a alegria, a justiça e harmonia.

Para os dias 23 e 24 de dezembro de 2010 

· ·

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 96

PASTORIL E OUTRAS DANÇAS

Severino Vicente da Silva

 

Meus amigos,

A cada o Programa Canavial vem apresentando assuntos para as nossas conversas e são sempre a respeito de acontecimentos e criações que nossa região vem criando nos últimos duzentos anos. Essas brincadeiras, essas histórias, essas festas que fazemos a cada ano, e todos os anos, são o retrato da vida que vem sendo vivida nessa nossa terra desde os tempos dos avôs e avós dos nossos avôs e avós. A cada semana nós conversamos sobre a nossa história, a história que eles fizeram e nós herdamos e a história que nós estamos fazendo e que nossos filhos e netos herdarão.

Houve um tempo em que o PASTORIL era um teatro e uma dança comum e que se apresentava quase sempre na frente da Igreja. O Pastoril é parecido com uma peça de teatro na qual os artistas não falam, apenas cantam, e que é conhecida como Ópera. O Pastoril começou a ser dançado, em Portugal, muitos anos antes dos portugueses chegarem ao Brasil.

O Pastoril conta uma viagem que ciganas saem do Egito para se festejar com uma família na qual a mulher acabou de dar a luz a uma criança. Nessa viagem as pastorinhas, que são as ciganas do Egito, passam por muitos lugares; em algumas casas há jardins, e elas e lá encontram borboletas; no caminho fazem amizade com um pastor de ovelhas que as acompanha enquanto elas seguem uma estrela que as guia até a casa onde ocorreu o nascimento do menino que recebeu o nome de Jesus. Todos os nomes têm um significado e o nome Jesus significa “Deus Salva”. Ou seja, a história do pastoril é a história de pessoas que andam até encontrar um motivo para ficar alegres e serem felizes.

Diana e Anjo

Diana e Anjo

A dança-teatro do Pastoril  era apresentada até o dia seis de Janeiro, o dia da Festa dos Reis Magos, que também saíram de suas terras no Oriente para visitar o Menino que nasceu em um ligar muito simples e pobre, uma cocheira, um lugar que serve para proteger os animais.

Meus amigos, na nossa região, nós costumamos celebrar o tempo do Natal com danças como o Pastoril, o Cavalo Marinho, Cirandas, Cocos, e muito Forró. Esse é um período em que descansamos dos trabalhos do corte da cana enquanto a terra parece descansar também. O ritmo da vida dos homens e das mulheres acompanha o ritmo da terra. Eessa época de descanso é o período em que aparecem nossos artistas que cantam, dançam, vestem roupas coloridas e nos divertem como Ciganas, Pastores, Ambrósios, Mateus, Sebastiões, Empata Samba, Capitães Marinho e tantas outras figuras que nos fazem Reis do Oriente que cantam, seguindo a Estrela Guia sob a proteção dos Arcos de São Gonçalo.  

O Programa Canavial deseja parabenizar todos os artistas de nossa região que estão se aprontando para as apresentações nesse final de ano.

Para os dias 17 e 18 de dezembro de 2010.

·

dez/10

9

Nossa Cultura nas Escolas

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 95

 

Nossa Cultura nas Escolas

Severino Vicente da Silva

Meus amigos,

Estamos começando o mês de dezembro e nele acontece a festa de natal. Essa palavra lembra outra, nascimento. A cada mês de dezembro fazemos uma festa para lembrar o nascimento de uma criança que foi apontada como sinal de contradição por trazer alegrias e sofrimentos a muitos. A festa de 25 de dezembro lembra uma criança que nasceu sem uma casa, junto a animais e visitada por gente muito simples, pastores e reis encantados com a tranqüilidade de uma mulher e homem felizes por estarem continuando a obra da criação divina.

Em nossa região da Mata Norte, neste ano, a festa do Menino Jesus parece que vai começando mais cedo. Em Goiana está sendo realizado o Primeiro Encontro Infantil de Cultura Popular da Zona da Mata. Uma das idéias básicas do projeto é debater a relação entre a cultura que as crianças aprendem nos terreiros, quintais, nas salas de suas casas e a cultura que elas aprendem nas escolas que freqüentam. O professor Paulo Freire costumava dizer que quando uma pessoa vai para a escola ela já sabe muita coisa: ela já sabe falar português, sabe o significado de muitas palavras, sabe dançar, carregar água, ajudar a lavar os pratos e muita coisa que aprendeu antes de ir para a escola. Mas acontece que nem sempre as pessoas que trabalham nas escolas não levam esses conhecimentos em consideração, não seguem o ensinamento do professor Paulo Freire que dizia que, a gente, primeiro deve considerar o que é o aluno já sabe para, começar do lugar onde ele está.

Ora, meus amigos, na nossa região muitos meninos já são mestres de algumas brincadeiras, sabem tocar bage, sabem versos do Cavalo Marinho, sabem tocar triângulo, responder ciranda, dançar de caboclo. Tem até deles que são poliglotas, ou seja, falam outra língua além do português, pois alguns freqüentam terreiros de Xangô ou Jurema e sabem expressões da língua nagô. E esse Primeiro Encontro Infantil de Cultura Popular da Zona da Mata está discutindo como fazer para que a cultura que nós aprendemos de nossos avós e pais, essa cultura que ensinamos a nossos filhos, pode também ser ensinada nas escolas, porque é com ela que o Brasil tem sido construído.

E é assim que o Programa Canavial começa o mês de dezembro, parabenizando o pessoal que, em Goiana, está procurando maneiras de fortalecer a nossa cultura nas escolas freqüentadas por nossas crianças, de maneira que as escolas reconheçam os saberes que os pequenos mestres da cultura aprenderam com os mestres da sabedoria popular.

 

Para os dias 10 e 11 de dezembro de 2010.

· ·

dez/10

9

FESTIVAL CANAVIAL EM VICÊNCIA

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 94

 

 

FESTIVAL CANAVIAL EM VICÊNCIA

Severino Vicente da Silva

Caros amigos,

Estamos no segundo final de semana do Festival Canavial 2010 e, além do Caminhos do Canavial acontecendo em Nazaré da Mata, temos ações também em Vicência.

Caminhos do Canavial é uma ação de grande profundidade e importância cultural, pois que ele envolve vários setores e agentes da comunidade educativa. Essa ação consiste em promover um encontro de crianças e jovens com os livros. Um ônibus foi transformado em biblioteca e está visitando alguns distritos das cidades que estão envolvidas no Festival Canavial. Os livros fazem parte do Ponto de Leitura Estrela de Ouro, da Biblioteca Mestre Batista. O ônibus/biblioteca chega e recebe alunos das escolas locais que podem escolher livros para manusear e participam de um concurso de poesia. Ah! Também tem a presença de dois grandes mestres: O Mestre Calou, de Vicência e o Mestre Costa Leite, cordelista de Condado. Neste final de semana o Caminho do Canavial estará em Nazaré da Mata.

Mas, nesta sexta e neste sábado, Vicência, que no dia 20 celebrou a Consciência Negra da Nação Brasileira, vai realizar o grande Encontro de Sanfoneiros que vai acontecer na Praça da Matriz, homenageando Baixinho dos Oito Baixos e Biu Mata. Vai ser muito gostoso ouvir tantos sanfoneiros puxando o fole e fazendo a gente dançar a música feita por gente como a gente.

Então, o Programa Canavial convida todo o mundo a participar dessa grande festa de nossa cultura.

 

Para os dias 26 e 27 de novembro de 2010

· ·

Theme Design by devolux.nh2.me