História e Canavial |

TAG | educação

dez/10

9

Nossa Cultura nas Escolas

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 95

 

Nossa Cultura nas Escolas

Severino Vicente da Silva

Meus amigos,

Estamos começando o mês de dezembro e nele acontece a festa de natal. Essa palavra lembra outra, nascimento. A cada mês de dezembro fazemos uma festa para lembrar o nascimento de uma criança que foi apontada como sinal de contradição por trazer alegrias e sofrimentos a muitos. A festa de 25 de dezembro lembra uma criança que nasceu sem uma casa, junto a animais e visitada por gente muito simples, pastores e reis encantados com a tranqüilidade de uma mulher e homem felizes por estarem continuando a obra da criação divina.

Em nossa região da Mata Norte, neste ano, a festa do Menino Jesus parece que vai começando mais cedo. Em Goiana está sendo realizado o Primeiro Encontro Infantil de Cultura Popular da Zona da Mata. Uma das idéias básicas do projeto é debater a relação entre a cultura que as crianças aprendem nos terreiros, quintais, nas salas de suas casas e a cultura que elas aprendem nas escolas que freqüentam. O professor Paulo Freire costumava dizer que quando uma pessoa vai para a escola ela já sabe muita coisa: ela já sabe falar português, sabe o significado de muitas palavras, sabe dançar, carregar água, ajudar a lavar os pratos e muita coisa que aprendeu antes de ir para a escola. Mas acontece que nem sempre as pessoas que trabalham nas escolas não levam esses conhecimentos em consideração, não seguem o ensinamento do professor Paulo Freire que dizia que, a gente, primeiro deve considerar o que é o aluno já sabe para, começar do lugar onde ele está.

Ora, meus amigos, na nossa região muitos meninos já são mestres de algumas brincadeiras, sabem tocar bage, sabem versos do Cavalo Marinho, sabem tocar triângulo, responder ciranda, dançar de caboclo. Tem até deles que são poliglotas, ou seja, falam outra língua além do português, pois alguns freqüentam terreiros de Xangô ou Jurema e sabem expressões da língua nagô. E esse Primeiro Encontro Infantil de Cultura Popular da Zona da Mata está discutindo como fazer para que a cultura que nós aprendemos de nossos avós e pais, essa cultura que ensinamos a nossos filhos, pode também ser ensinada nas escolas, porque é com ela que o Brasil tem sido construído.

E é assim que o Programa Canavial começa o mês de dezembro, parabenizando o pessoal que, em Goiana, está procurando maneiras de fortalecer a nossa cultura nas escolas freqüentadas por nossas crianças, de maneira que as escolas reconheçam os saberes que os pequenos mestres da cultura aprenderam com os mestres da sabedoria popular.

 

Para os dias 10 e 11 de dezembro de 2010.

· ·

dez/10

9

FESTIVAL CANAVIAL EM VICÊNCIA

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 94

 

 

FESTIVAL CANAVIAL EM VICÊNCIA

Severino Vicente da Silva

Caros amigos,

Estamos no segundo final de semana do Festival Canavial 2010 e, além do Caminhos do Canavial acontecendo em Nazaré da Mata, temos ações também em Vicência.

Caminhos do Canavial é uma ação de grande profundidade e importância cultural, pois que ele envolve vários setores e agentes da comunidade educativa. Essa ação consiste em promover um encontro de crianças e jovens com os livros. Um ônibus foi transformado em biblioteca e está visitando alguns distritos das cidades que estão envolvidas no Festival Canavial. Os livros fazem parte do Ponto de Leitura Estrela de Ouro, da Biblioteca Mestre Batista. O ônibus/biblioteca chega e recebe alunos das escolas locais que podem escolher livros para manusear e participam de um concurso de poesia. Ah! Também tem a presença de dois grandes mestres: O Mestre Calou, de Vicência e o Mestre Costa Leite, cordelista de Condado. Neste final de semana o Caminho do Canavial estará em Nazaré da Mata.

Mas, nesta sexta e neste sábado, Vicência, que no dia 20 celebrou a Consciência Negra da Nação Brasileira, vai realizar o grande Encontro de Sanfoneiros que vai acontecer na Praça da Matriz, homenageando Baixinho dos Oito Baixos e Biu Mata. Vai ser muito gostoso ouvir tantos sanfoneiros puxando o fole e fazendo a gente dançar a música feita por gente como a gente.

Então, o Programa Canavial convida todo o mundo a participar dessa grande festa de nossa cultura.

 

Para os dias 26 e 27 de novembro de 2010

· ·

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 91

 

A MATA NORTE E A INDEPENDÊNCIA DE PERNAMBBUCO

 

Meus Amigos

Começamos o mês de novembro com duas festas religiosas do cristianismo católico, uma das muitas religiões praticadas em nosso país: uma em homenagem a todos os santos, àqueles que nós conhecemos pelo nome e a grande maioria totalmente desconhecida; a outra festa é uma homenagem a todos os que morreram, sendo uma oportunidade para visitar os locais onde repousam os restos mortais de pessoas que nós conhecemos ou pessoas que nos foram desconhecidas, mas que influenciaram de alguma maneira, a vida de nossas comunidades. Essas duas festas nos lembram que a história de nossas vidas não tem início quando nascemos ou quando assumimos alguma responsabilidade na sociedade. Nós e  nossa cultura, somos resultado do trabalho e da vida de muitos seres humanos que viveram antes de nós. Essas duas festas devem servir para que diminuamos a nossa dose de orgulho pessoal.

Mas em Pernambuco o mês de novembro tem outro acontecimento que merece outra festa que nos lembre o dia 11 de novembro de 1821. Foi no tempo em que o Brasil era um Reino unido ao Reino de Portugal. Os portugueses iniciaram um movimento na cidade do Porto, em Portugal, e pretendiam fazer o Brasil voltar a ser uma colônia. Governava Pernambuco o capitão Luiz do Rego Barro, fiel ao movimento português. Mas os pernambucanos da Mata Norte, especialmente de Limoeiro, Nazaré, Paudalho, Tracunhaém se organizaram e, com tropas também chegadas da Paraíba, se reuniram em Goiana, onde se formaram uma Junta Governamentativa e foram para o Recife confrontar o Capitão governador. Derrotado, o capitão Luiz do Rego Barro assinou a Convenção de Beberibe, e foi obrigado a deixar Pernambuco com as tropas portuguesas. Nunca mais Pernambuco foi governado por portugueses.

Meus amigos, o Programa Canavial, nesta semana deseja lembrar a Convenção de Beberibe de 1821, a independência de Pernambuco, e louvar os líderes da Mata Norte que apontaram o caminho para o Brasil ser Independente.

 

Para os programas dos dias 5 e 6 de novembro de 20010

· ·

out/10

15

PROGRAMA CANAVIAL

EDITORIAL 87

DIA DOS PROFESSORES

 

Severino Vicente da Silva

Meus amigos,

São muitas as datas de festa no mês de outubro e essas festas nos dizem sempre que no passado algum fato, algum acontecimento ocorreu e então lembramos; mas se fazemos a festa para lembrar é porque desejamos que a lembrança daquele acontecimento nos faça viver aquelas emoções mais uma vez. Quando celebramos o dia das crianças, queremos de novo ser crianças com os filhos e netos; quando lembramos a chegada de Cristóvão Colombo na América, desejamos lembrar os povos que já viviam aqui e ainda cultivam sua cultura,e a Jurema Sagrada é prova viva dessa nossa cultura; quando se celebra a Nossa Senhora Aparecida, é lembrando que ela apareceu a pobres pescadores em um rio, e isso nos lembra devemos cuidar dos rios e riachos da nossa região.

E este final de semana tem outra festa, um dia que foi escolhido para celebrar a alegria de termos tido professores. Professores são pessoas que cuidam de transmitir os conhecimentos necessários para que nós vivamos na sociedade. Antigamente que cuidava dessa tarefa era a própria família, mas como ao longo da história os homens e as mulheres foram criando novos objetos e conhecimentos, ficou impossível para a família fazer essa tarefa. Então algumas pessoas foram escolhidas para aprender e a ensinar.  E ensinar é muito difícil, pois o mais comum é as pessoas acharem que não precisam aprender mais nada. E o professor ou professora aprendeu ter paciência para esperar o momento de ensinar e experimentar a maior das alegrias que é ver o riso de quem acabou de aprender.

Paulo Freire

Paulo Freire

Embora precise muito de professores, a nossa sociedade atualmente não parece dar muita importância às escolas e às pessoas que nelas trabalham. Temos que mudar esse comportamento e dar mais valor aos nossos professores, seja melhorando o salário deles, seja melhorando as escolas, comprando livros para as bibliotecas, pintando as paredes das escolas, concertando os móveis, cuidando da segurança e respeitando os professores nas escolas e nas ruas.  Essas são tarefas de todos.

O PROGRAMA CANAVIAL deseja agradecer a todos os professores por seus esforços em melhorar o nível de vida dos habitantes da Mata Norte e fazer essa homenagem a quem cuida para que as crianças, dos jovens e dos adultos possam se integrar na vida da sociedade local e nacional.

Parabéns, caro professor, cara professora.

 

Escrito para os dias 15 e 16 de outubro de 2010.

· ·

Theme Design by devolux.nh2.me