Archive for the ‘Autonomia’ Category

O Arreiamá


2010
10.16

O arreiamá

Adriano José
 

Arreimá na saída do Estrela de Ouro, Chã de Camará, Aliança, PE, 2009. Foto Biu Vicente

Arreimá na saída do Estrela de Ouro, Chã de Camará, Aliança, PE, 2009. Foto Biu Vicente

 

O arreiamá é um caboclo que parece não estar preparado Para a guerra, com um machado lembra os tempos do descobrimento do Brasil, os tempos que os índios cortavam o pau Brasil e de grande amizade com os nativos. O arreiamá pode está em todos os tipos de maracatus, nem só de baque virado, mas também nos de baque solto e até nos caboclinhos. No carnaval o arreiamá é quase o ponto principal dos maracatus, sua parte é mostrar que a cultura indígena ainda existe no Brasil, e se deus quiser próximo ano eu estarei lá, fantasiado de arreiamá.  

  professora essa é mais uma de minhas historias , leia essa história é uma recontação do livro do professor Biu Vicente

Texto de Adriano José

História do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança


2010
08.01

HISTÓRIA DO MARACATU ESTRELA DE OURO

Anderson

Anderson treinando fotografia no Ponto de Leitura

 

 O Maracatu Estrela de Ouro foi fundado em 01 de janeiro de 1966, na Chã de Camará, por Severino Lourenço da Silva, dando continuidade à tradição de sua família. O primeiro mestre do Maracatu Estrela de Ouro foi Aprígio Gabriel, as primeiras baianas desse maracatu foram as pastoras do Pastoril de Aprígio Gabriel. A primeira bandeira do maracatu foi comprada do Maracatu Estrela da Tarde.

O Maracatu Estrela de Ouro tem como sócios-fundadores: Severino Lourenço da Silva, Sebastião Francisco de Lima, Sebastiana Maria da Conceição e Luiz Rosa da Silva.

A primeira diretoria do Maracatu: presidente – Francisco dos Santos; vice-presidente –Severino Lourenço da Silva; Secretário – Manuel Francisco de Lima; Tesoureiro – Antônio Vicente da Silva; segundo secretário – José Bernardo Pessoa.

Sou um dos mais antigos da Escolinha (hoje chamada de PROJETO LEITURA NO PONTO). Quando entrei só tinha as seguintes pessoas: Edna, Cláudia.José Marcos, Maiara.

Hoje a Escolinha já deve ter umas 30 pessoas, e tem mais querendo entrar.

O que tem no Projeto Leitura no Ponto?

Sala de computação – onde aprendemos sobre informática;

Biblioteca – onde nos emprestam os livros para lermos em casa;

Cozinha – onde são preparados os nossos lanches;

Terreiro do Ponto – onde fazemos nossas brincadeiras de intervalo;

Sala – onde estudamos e aprendemos um poucos mais sobre tudo.

Nesse projeto aprendemos coisas que nos ajudam no dia-a-dia escolar.

Anderson, à direita do Mestre Mariano, em oficina de Cavalo Marinho

Email andersonjose03@yahoo.com.br

Orkut anderson2010@hotmail.com

Msm andersonbbg@hotmail.com

Resumido após a Leitura do Estrela de Ouro de Aliança: a saga de uma tradição.

foto de Biu Vicente

ADRIANO, em mim nasceu a cultura.


2010
06.01

Adriano - foto de Biu Vicente

 

Meu nome é Adriano José dos Santos, nasci em Aliança – PE, no dia 30 de setembro em um distrito de Aliança chamado “COHAB”. Comecei a descobrir a cultura dentro de mim quando minha mãe veio morar aqui no Sítio Chã de Camará, localizado no trevo de Upatininga, também distrito de Aliança. Minha mãe, Ana Maria dos Santos, ela brincava de baiana no Maracatu do sítio, o Maracatu Estrela de Ouro. Maracatu muito reconhecido no Brasil todo. Em 2006 surgiu o projeto (Recreação infantil e mediação de leitura na Biblioteca Mestre Batista) e aí entrei e comecei a participar. Esse projeto era no sábado, por isso corria muito, mas nem todo o sábado vinha, pois eu morava na COHAB e nem sempre pude vim para o projeto. Mas nos sábados em comecei a aprender a cultura que havia dentro de mim.

Em 2009 o projeto evoluiu e ganhou um nome, projeto Leitura no Ponto – Escola Sebastiana Maria da Silva. Eu admirava muito a cultura daqui, o Maracatu – que era o mais bonito, o Cavalo Marinho, o Boi Camará, a Ciranda Rosas de Ouro e o Coco Popular de Aliança.

Como eu era pequeno, tinha uns 09 anos, não deixavam eu ficar nas festas do Ponto.

Ainda em 2009 eu fiz um poema chamado “Direitos garantidos para o mundo melhor”, e fui entrevistado na Escola (Adriano cursa o 9º fundamental na Escola Estadual Dom Bosco em Aliança – PE; foi entrevistado pela jornalista Inês Calado do JC – Online para a matéria especial “E o verbo se fez Vida”, disponível no endereço: http://www2.uol.com.br/JC/sites/verbo/index.html ) e fiquei conhecido como “o poeta” em toda a Escola.

Já em 2010 eu fui chamado para brincar de Arreimá no Maracatu Estrela de Ouro, mas eu ainda era muito pequeno, daí não deu certo. Tentei brincar de caboclo, brinquei no carnaval em 02 apresentações, na terceira mudei para o lampião e gostei. Estarei no próximo carnaval se Deus quiser. E agora o meu Tio (padrasto) está fazendo um Coco de jovens e estou muito empolgado com a cultura e sonho quando crescer  ser um grande cantador de marchas de Maracatu.

Adriano José da Silva, 13 anos

adrianojose16@yahoo.com.br

ANDERSON, um jovem de grandes momentos culturais


2010
06.01

Meu nome é Anderson, nasci em Timbaúba, Zona da Mata Norte de Pernambuco, no ano de 1995, no dia 29 de março, e sonho em ser engenho da computação.

Comecei a gostar de cultura popular aos 09 anos, quando minha mãe foi morar no Sítio Chã de Camará – Aliança/PE. Eu vi o Maracatu e dizia: “que coisa bonita!” ficava só na vontade de dançar nas apresentações. Depois o Coco, ficava impressionado com o que eu via, as pessoas dançavam e tocavam sem parar, com vontade de aprender a tocar mas não tinha oportunidades.

Depois de um ano inauguraram o Ponto de Cultura Estrela de Ouro, em 2005. Participei de todas as festas. Com o Ponto de Cultura surgiram vários projetos para aprender a dançar e a tocar o Maracatu, Coco e o Cavalo Marinho, eu participei de todos e aprendia a dançar e tocar todos os brinquedos.

Agentes Cultura Viva e crianças - Foto de Anderson

Em 2006 surgiu o projeto para crianças e adolescentes, eu participei e participo até hoje. Com esse projeto tive oportunidade de desenvolver mais a leitura com atividades na Biblioteca Mestre Batista e o Estúdio Mestre Zé Duda.

Em 2007 teve o Festival Canavial que tive oportunidade de conhecer diferentes culturas, danças, comidas, histórias, maracatus e outros.

Em 2008 o projeto se desenvolveu mais, entrou mais pessoas, Foi tendo mais Festas e Festivais.

2009 foi o ano que mais aconteceram coisas, o Mestre Caboclo do Maracatu Estrela de Ouro me chamou para dançar no maracatu, mas minha mãe não deixou. O nosso projeto ganhou um nome e foi apoiado pelo governo, o nome era Leitura no Ponto e virou uma escolinha – Escola Sebastiana Maria da Silva – ganhamos também o Ponto de leitura, ganhamos mil livros e um computador. O projeto cresceu, começou a ter merenda, salas divididas, eram três professoras: Wanessa, Bárbara e Amélia. Com o excesso de crianças, Cláudia e Layane foram colocadas para ser monitoras da Biblioteca e eu mais Pê (José Marcos) fomos colocados para sermos monitores do computador. Isso foi uma oportunidade enorme para mim. Sabe, eu tive como aprender a mexer mais no computador e passar o que eu estava aprendendo para outras pessoas. Depois de um mês a professora achou muito ruim duas pessoas para uma coisa só, aí ela tirou José Marcos e Layane da monitoração.

Eu até hoje tenho feito isso, fico monitorando as crianças no sábado e quando posso na semana, porque estudo. (Anderson faz o I ano do Ensino Médio na Escola Estadual Dom Bosco na cidade de Aliança)

Ainda em 2009, disse a professora que queria participar da Roda de Mestres (Roda de Mestres – Festival Canavial 2010, Nazaré da Mata – PE), e ela e o Professor Biu Vicente me chamou para comparecer. Roda de Mestres é uma sala cheia de Mestres da cultura, e eles fazem uma roda e conversam várias coisas importantes para as brincadeiras da região. Ganhei diploma, conheci o grande escritor Célio Turino (Secretario de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura), que escreve vários livros sobre Pontos de Cultura, ganhei um livro assinado por ele, o nome do livro é: Pontos de Cultura: o Brasil de baixo para cima.

Um projeto foi lançado de uma biblioteca móvel (Biblioteca itinerante – projeto Caminhos do Canavial: leitura, cordel e tradições culturais da Zona da Mata), colocamos todas as coisas no ônibus e levamos o ônibus para vários lugares com sentido de mostrar para as pessoas que na Chã de Camará tem-se projetos para crianças e que o Ponto de Cultura tem como identidade também o projeto leitura no ponto.

Em 2010 o Mestre dos Caboclos do Maracatu me chamou de novo para participar, e minha mãe dessa vez deixou. Eu saí de caboclo de lança, foi muito bom, isso foi outra oportunidade para mim, gostei muito, no próximo ano irei participar de novo.

Esse ano está sendo muito bom para mim, estou tendo a chance de mostrar a minha história na internet, para todas as pessoas conhecerem e contar para outras pessoas.

Quero manter a cultura viva no lugar de Ederlan, com a computação e o Maracatu.

Anderson José dos Santos, 15 anos

andersonjose03@yahoo.com.br