Archive for the ‘Educação’ Category

BRINQUEDOS BRINCANTES


2011
08.27

BRINQUEDOS BRINCANTES

Manuela Guedes

Mês de agosto estamos comemorando o Folclore, que nada mais é uma manifestação popular. Pernambuco é riquíssimo nessas manifestações culturais, e por isso resolvemos conversar todos os sábados com os jovens de Chã do Camará. E nessa conversa falamos sobre o Cavalo Marinho e a sua origem, e o que é preciso para montar um Cavalo Marinho. Uma manifestação já vista por esses estudantes, porém entendida. Discutimos um pouco o porquê de tudo aquilo, como por exemplo: a dança dos arcos, quem foi São Gonçalo, falamos a respeito dos instrumentos que são tocados, e quando falei da rabeca, as meninas me perguntaram o que é uma rabeca? Entretanto, são manifestações existentes naquele espaço, porém um pouco desconhecida, longe de seus significados.

Após a conversa a respeito do Cavalo Marinho, conversamos sobre o fantoche que é o fantoche, como ele é visto, como pode ser feito e interpretado, estes souberam responder muito bem, e em seguida partimos para uma produção artística, que fazer a arte também é uma forma de educar.

E falando em arte, a arte tem que deixar de ser vista como algo terciário, a arte tem valor, traz idéias, descobertas, interação com o outro, e é isso que estamos buscando e fazendo. Então, fizemos o fantoche, utilizando material que muitas vezes vai para o lixo, e reciclamos o uso da caixa de ovos. Demos formato ao corpo com essas caixas. Para fazer o cabelo, braço e perna, utilizamos o barbante e muitas cores e brilhos, dando formato ao boneco ou uma boneca, cada um mais lindo que o outro. Os jovens soltaram a imaginação, e depois partiram para uma conversa com os seus bonecos, brincando com os seus bonecos criando histórias.

A Páscoa e a natureza


2011
05.07

 

Na programação do Ponto de Leitura Estrela de Ouro de Aliança, o mês de abril foi dedicado a debates sobre o meio ambiente. Os três grupos, formado por pessoas de idades semelhantes, leram e debateram sobre o assunto. Assim ocorreram debates sobre desmatamentos – tem uma história de um homem que produz desertos desde pequeno -; sobre a importância das águas na vida da gente. Um grupo resolveu fazer algumas pinturas a respeito da vida dos animais em extinção.

Mas a grande atividade ocorreu no último sábado de abril. Naquela tarde, após as leituras e as conversas, todos os mais jovens saíram, pelo terreiro do Ponto de Cultura Estrela de Ouro de Aliança, local onde funciona o Ponto de Leitura, recolhendo o lixo que ali existia. Foi uma brincadeira séria e interessante, porque ninguém gosta de viver no lixo. Somente as baratas, os ratos e outros animais que distribuem doenças.

Mas enquanto os mais jovens estavam no terreiro, enquanto estavam limpando o quintal, os adolescentes estavam discutindo e escrevendo o cabeçalho de um “abaixo assinado” e, durante a semana, eles iriam nas casas da comunidade para que os adultos assinassem o pedido para que a prefeitura estabeleça o calendário de recolhimento do lixo na comunidade de Chã de Camará.

Naquele sábado, também nós fizemos a festa de páscoa, porque uma família da cidade de Goiana ofereceu bolos para o lanche das crianças. Para nós foi muito bom porque a festa de páscoa é a festa da vida e, quando a gente cuida da natureza a vida se renova com mais facilidade.

A festa da páscoa foi um bom momento para fortalecer a idéia de que a vida deve ser preservada.

Mudanças no Ponto de Leitura e na Chã de Camará


2011
01.28

Danielle Marinho - Agente Cultura Jovem, na Oficina de início do Ponto de Cultura Estrela de Ouro de Aliança

Quando nós iniciamos a pensar e viver o projeto Leitura no Ponto, uma das atividades do Ponto de Cultura Estrela de Ouro, desejávamos promover o gosto da leitura e o prazer de ficar com o livro na mão, passar uma folha de cada vez, ou mesmo muitas ao mesmo tempo, alimentando os olhos de imagens e a cabeça de viagens. Ah! A gente desejava isso para as crianças da Chã de Camará e também para os jovens adolescentes que agem como monitores/educadores. E isso vem acontecendo.

Amélia Patrícia, aliancense, que durante quase dois anos, todos os sábados acompanhava as crianças, especialmente os mais novos, agora está completando o curso de Pós-Graduação latu-senso em Letras; Danielle Marinho que, como Amélia Patrícia fez parte do primeiro grupo de Agente de Cultura Viva, e fez parte do Coco Popular de Aliança, ficou um ano conosco, a cada sábado promovendo a sociabilidade com as crianças que fazem parte de nossos sábados, nos deixou recentemente para formar a sua família. Estamos muito contentes com esse novo período de sua vida, e desejamos que ela seja feliz e transmita para seus filhos a energia, a delicadeza e alegria de viver que fazem parte do seu caráter.

Daniela Maria e Danielle Marinho

Mas esse comentário de hoje é para celebrar duas de nossas educadoras: Érica e Daniela Maria. Érica é também a Rainha do Maracatu Estrela de Ouro. Ela aceitou o convite para substituir Amélia Patrícia, disse que não tinha muito jeito, mas que iria fazer o possível para ajudar as crianças. Consigo trouxe Daniela. Duas amigas moradoras do Bairro da COAHB de Aliança que, não apenas nos sábados, mas em outros dias da semana passaram a organizar a Biblioteca Mestre Batista e ficar à disposição para atender as crianças e os visitantes. Começaram a aprofundar o gosto da leitura, das poesias, dos romances, do debate sobre os filmes e, passaram a entender que não haviam “terminado” os estudos, que é o que costumam ensinar às camadas mais pobres. Érica e Daniela decidiram que deviam fazer um curso superior e agora são alunas do curso de Pedagogia da Faculdade de Formação de Professores de Goiana. Em uma reunião de avaliação elas disseram que descobriram que é muito bom ser professora.

Érica Maria como Rainha do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança

Parabéns Érica e Daniela. Vamos continuar a estudar e a gostar de cada vez mais de ter vocês como parte essencial de nossa equipe do Ponto de Cultura e do Ponto de Leitura Estrela de Ouro de Aliança.

Severino Vicente da Silva

O Natal do Saci Noel


2010
12.20

 Severino Vicente da Silva

Sai Pererê ou Papai Noel

No escrito anterior fiz um pequeno relatório das atividades do Ponto de Leitura e parece que vivemos de festa. É que sempre é festa nos sábado à tarde com as crianças e com os rapazes e moças que chegam para ficarem três horas juntos, de acordo com sua idade e interesse.  São atividades simples, quase sempre em torno de um livro, uma idéia, um comportamento.

 

Vendo, ouvindo e aprendendo canções

Os menores gostam de ver desenhos e de fazer desenhos. Na verdade, todos gostam de ver desenhos, ouvir músicas, cantigas de roda, repeti-las e aprendê-las. Os meninos são mais ativos, corredores, sempre querendo uma atividade que os ponha a alcançar uma bola e mostrar a destreza de seus pés e pernas. Mas eles também ficam quietos quando a história lhes interessa, quando há uma ligação com a sua vida. As cantigas e os livros sempre possuem alguma relação com o dia a dia, afinal é da atividade comum, rotineira, de onde e aonde se faz a beleza da arte, parte da beleza da vida;

Para concluir o ano fizemos mais uma festa, pensada desde algum tempo. Com os rapazes e moças ocorreu a preparação. Teremos Papai Noel ou o Saci Pererê entregando presentes? E teremos presentes, de onde virão? Essa não foi uma preocupação deles.

Mas as meninas-moça e os rapazes resolveram que poderiam cantar uma canção de Natal. Fariam um coral. É que já estão pensando em, no próximo ano formar um grupo de danças culturais, esse que acostumaram de chamar folclórico. Quem formar um grupo que cante Coco e Ciranda. Ederlan disse que iria orientar essa parte. Mas por hora eles e elas preparam um coral para festa de natal.

Os presentes foram embrulhados no Pontão Canavial para tudo está pronto no dia 18.  Um dia que começou cedo para Rogério na limpeza do terreiro, e que teve a ajuda de Edilson nos intervalos que ele encontrava enquanto bordava mais uma gola de caboclo. Enquanto isso Érica e Daniele estavam no interior da casa fazendo os salgadinhos, na cozinha que foi montada este ano. 

 Ainda não era uma hora da tarde, e os senhores e senhoras donos da festa começaram chegar e a ocupar os espaços. Sentaram-se para ouvir canções, outros ocuparam os computadores e ajudaram a organizar a mesa. Ao lado do Ponto de Cultura, Pai Mário trabalhava na organização do louvor que será dedicado a Iemanjá, no Centro Nossa Senhora da Conceição.

Faz-se o tapete no terreiro e vamos contar a história do Papai Noel para olhos, ouvidos, e almas atentas. E vem o Bingo da Amizade, que é o sorteio dos amigos presentes, sendo que a cartela é formada por cada um dos participantes que ali escreve o nome de seus amigos. Ganha o prêmio o quem primeiro completar a cartela. O prêmio é dividido com os amigos. Depois as meninas-moça cantaram a sua canção, superando a timidez. Os rapazes não subiram ao palco.  E então veio o Saci com a carapuça confundida com o gorro de Papai Noel. A carapuça passou de cabeça em cabeça e cada um entregou o presente para o outro.

 Foi assim que os peraltas Sacis da Chã de Camará tornaram-se Papai Noel. Celebramos assim, a festa do Menino Jesus, a tradição do Norte da Europa e as Matas do Norte de Pernambuco.

Feliz Natal para todos.

Pequeno Relatório


2010
12.18

 

Severino Vicente da Silva

Posando em momento para o futuro

 

Ao longo deste Ano da Graça de 2010, o Ponto de Leitura Estrela de Aliança cresceu em experiências que enriqueceram a todos os que participaram das atividades. Neste ano estiveram conosco crianças a partir de 3 anos até jovens de 15 anos. Totalizaram 43 os que freqüentaram as atividades dos sábados.

Sentados para o mamulengo

Meninos, meninas, moças e rapazes foram acompanhados por Érica, Daniele Maria, Daniele Marinho, Rafael, Patrícia, Edilson, e Rogério sob a supervisão de Wanessa e Ederlan. Motivos diversos afastaram dos trabalhos Patrícia e Daniela Marinho, mas continuamos lendo livros, contando histórias, vendo filmes, fazendo desenhos, deixando a imaginação e as personalidades crescerem enquanto os corpos verticalizam, como as plantas que buscam o sol.Ccorrendo no terreiro

Em vários momentos o grupo recebeu a ajuda de Bárbara e Amélia. Essas duas estiveram ativamente no grupo em 2009, mas as atividades de uma nova profissão e aperfeiçoamento nos estudos as afastaram das atividades semanais, mas elas não perderam as festas e “Caminhos do Canavial”. Esta atividade fez parte do Festival Canavial e é um Ônibus Biblioteca que visitou povoados de Vicência, Nazaré da Mata, Condado e Aliança.

Bárbara, Wanessa e Amélia

Naqueles lugares ocorrem contação de histórias, apresentação do Cavalo Marinho Estrela do Amanhã, formado por adolescentes de Condado. Acompanha o ônibus o Mamulengo Flor do Jasmim, do Mestre Calou de Vicência. E ainda teve a palestra do cordelista José Costa Leite, que conta a sua vida e lê suas histórias para as crianças.

A Biblioteca que anda

No Ponto de Leitura algumas datas foram de festa, como o Dia de Cosme e Damião, o dia das Crianças, a Festa de São Pedro e também vamos ter uma festa no Natal, aproveitando para tirarmos um período de descanso. É que o Ponto de Leitura Estrela de Ouro faz parte do Ponto de Cultura Maracatu Estrela de Ouro de Aliança e, agora começa o tempo de se preparar para o carnaval.

 A nossa biblioteca funciona na casa sede do Maracatu e do Ponto de Cultura 

Estrela de Ouro de Aliança que, neste período começa a receber as roupas dos caboclos, das baianas, e de todos os personagens que fazem o mais belo maracatu de baque solto de Pernambuco, o Maracatu Estrela de Ouro de Aliança, fundado pelo Mestre Batista, aqui na Chã de Camará em 1966.

Refletindo as ações

Crianças e professores = festas


2010
10.24

A queda dentro do saco

O nosso Ponto de Leitura Estrela de Ouro de Aliança teve nas duas últimas semanas um pouco de festividade. Verdadeiramente cada sábado é uma festa, pois a convivência que vem ocorrendo está modificando o mundo dos professores monitores, o mundo das famílias e as crianças em constante mudança é sempre um motivo de festa. No sábado, dia 16 de outubro ocorreu a festa comemorativa do dia das crianças e toda a tarde foi de criação e recreação. Já no mês de setembro havia ocorrido a festa em homenagem aos Santos Cosme e Damião, cirurgiões que viveram à época do Império Romano curando as pessoas de maneira gratuita, especialmente  as crianças.

jovens lendo as instruções da Caça ao TesouroA festa Começou com a “CAÇA AO TESOURO”, melhor dizendo três tesouros, formados pelo critério de idade saíram e, busca de tesouro, catando dicas por todo espaço da Chã de Camará.

Cada grupo com dificuldades específicas. Os adolescentes formaram dois subgrupos. O tesouro talvez não tenha sido muito rico, mas a experiência de sair procurando o tesouro foi a grande riqueza.

 Então depois foi o momento do QUEBRA PANELA, proeza realizada por Andréa que quase ficou sem os confeitos que enchiam a panela que ela quebrou.

E então, fomos à CORRIDA DE SACOS, também por faixa etária com muito riso e algumas quedas, inclusive a do professor Biu Vicente que, animado pelos incentivos pensou que ainda era criança e descobriu que era e riu. Também a professora Danielle terminou por vencer uma seqüência da DANÇA DAS CADEIRAS.

Enquanto todos se divertiam com as brincadeiras, um grupo resolveu que deveria haver uma festa para os professores e que eles não precisavam saber, seria uma surpresa.

Professoras e crianças na Dança das Cadeiras

E a surpresa ocorreu no dia 23 pois enquanto os professores foram fazer uma reunião com Biu Vicente, os jovens organizavam o espaço para surpreender Wanessa, Érica, Danielle e Rogério. Quando acabou a reunião os professores encontraram uma sala organizada com bolos e refrigerantes e crianças ao seu redor. Pequenos discursos, algumas palmas, palavras emocionadas pela surpresa. Danielle disse que bateu palmas e cantou sem saber bem para que. Érica saiu da sala para esconder a emoção. Realmente elas não sabiam.

O movimento do Ponto de Leitura Estrela de Ouro, a Biblioteca Mestre batista atualmente recebe a cada sábado 40 crianças para atividades culturais e recreativas. As crianças dizem que vão à escola. Hoje Seu Francisco chegou com seus dois filhos, José Antonio, de cindo anos, e Letícia, de sete anos, e foi logo perguntando: “ainda tem lugar para meninos na escola?” Como dizer que não tem lugar, se ele diz que “os meninos pediram para vir para a escola” e dona Maria Antonia, avó de Andréa, fica na janela dizendo que “pode não ser escola, mas os meninos ‘desasnam”? Então pedimos a seu Francisco que ele traga uma declaração de que Dudô e Letícia estão matriculados na Escola Municipal Chã de Camará na próxima semana. Os seus filhos ficaram na “escola” e seu Francisco saiu contente para casa.

Andréa a caminho de quebar a panela

Como eu disse, é sempre dia de festa porque tem sempre criança querendo vir para a “escola” do Ponto de Leitura, mas precisamos de voluntários.

O Arreiamá


2010
10.16

O arreiamá

Adriano José
 

Arreimá na saída do Estrela de Ouro, Chã de Camará, Aliança, PE, 2009. Foto Biu Vicente

Arreimá na saída do Estrela de Ouro, Chã de Camará, Aliança, PE, 2009. Foto Biu Vicente

 

O arreiamá é um caboclo que parece não estar preparado Para a guerra, com um machado lembra os tempos do descobrimento do Brasil, os tempos que os índios cortavam o pau Brasil e de grande amizade com os nativos. O arreiamá pode está em todos os tipos de maracatus, nem só de baque virado, mas também nos de baque solto e até nos caboclinhos. No carnaval o arreiamá é quase o ponto principal dos maracatus, sua parte é mostrar que a cultura indígena ainda existe no Brasil, e se deus quiser próximo ano eu estarei lá, fantasiado de arreiamá.  

  professora essa é mais uma de minhas historias , leia essa história é uma recontação do livro do professor Biu Vicente

Texto de Adriano José

O Filho do mundo


2010
10.14

 

A história do filho do mundo
 
“Aqueles pobres sofridos, que se deslocam de um canto pra o outro em busca da sobrevivência do seu povo e da sua religião”.
Quando uma vida nasce, nasce também um cristão para sofrer seu pobre destino num poço chamado “mundo”. O destino desse cristão seria sofrer, e morrer.
Infeliz destino me teve ao ver o meu maior tesouro, ser machucado por o homem que o destino criou.
Sou eu a triste criança que teve o destino interferido pelo sofrimento, aos meus cinco anos de idade minha mãe se separou de mim e me deixou ao relento de meu pai, que sempre saia pra beber e me deixava com fome, como não tinha nada pra comer eu e meu irmão pegava farinha com açúcar e semeávamos com gosto, pois a sorte me abandonou.
Passado um tempo, eu já estava com uns dez anos na quarta serie apesar da má sorte eu era um aluno exemplar, mas meu pai não reconhecia que eu era diferente dele, que o mundo me criou. Eu não e
todos sabem e um pouco mais.
Hoje eu me sinto bem, mas o que eu sofri não será esquecido assim, “o meu futuro será diferente do meu passado” aqueles tempos de sofrimento já passaram. Minha vida agora é outro, mas o destino ainda interfere na minha vida, minha mãe ainda é separada do meu pai, o que me deixa fora do normal é o simples “amor” eu acho que o que me deixa feliz apesar da tristeza, hoje é quase um dos melhores do projeto “leitura no ponto” projeto fundado em mais ou menos em 2004, localizado no sitio chã do camará {entrada de upatininga, distrito de aliança}.
“eu não me considero normal, são muitos que através da tristeza encontraram a felicidade, já não sou o único.”
              Sou fogo, sou água
              Sou do catolé
              Sou louco, eu sou
               Adriano José.  
 
 
 imaginando, criando
                       
                               Adriano dos santos. Aliança – PE
                                                  (A história do filho do mundo)

História do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança


2010
08.01

HISTÓRIA DO MARACATU ESTRELA DE OURO

Anderson

Anderson treinando fotografia no Ponto de Leitura

 

 O Maracatu Estrela de Ouro foi fundado em 01 de janeiro de 1966, na Chã de Camará, por Severino Lourenço da Silva, dando continuidade à tradição de sua família. O primeiro mestre do Maracatu Estrela de Ouro foi Aprígio Gabriel, as primeiras baianas desse maracatu foram as pastoras do Pastoril de Aprígio Gabriel. A primeira bandeira do maracatu foi comprada do Maracatu Estrela da Tarde.

O Maracatu Estrela de Ouro tem como sócios-fundadores: Severino Lourenço da Silva, Sebastião Francisco de Lima, Sebastiana Maria da Conceição e Luiz Rosa da Silva.

A primeira diretoria do Maracatu: presidente – Francisco dos Santos; vice-presidente –Severino Lourenço da Silva; Secretário – Manuel Francisco de Lima; Tesoureiro – Antônio Vicente da Silva; segundo secretário – José Bernardo Pessoa.

Sou um dos mais antigos da Escolinha (hoje chamada de PROJETO LEITURA NO PONTO). Quando entrei só tinha as seguintes pessoas: Edna, Cláudia.José Marcos, Maiara.

Hoje a Escolinha já deve ter umas 30 pessoas, e tem mais querendo entrar.

O que tem no Projeto Leitura no Ponto?

Sala de computação – onde aprendemos sobre informática;

Biblioteca – onde nos emprestam os livros para lermos em casa;

Cozinha – onde são preparados os nossos lanches;

Terreiro do Ponto – onde fazemos nossas brincadeiras de intervalo;

Sala – onde estudamos e aprendemos um poucos mais sobre tudo.

Nesse projeto aprendemos coisas que nos ajudam no dia-a-dia escolar.

Anderson, à direita do Mestre Mariano, em oficina de Cavalo Marinho

Email andersonjose03@yahoo.com.br

Orkut anderson2010@hotmail.com

Msm andersonbbg@hotmail.com

Resumido após a Leitura do Estrela de Ouro de Aliança: a saga de uma tradição.

foto de Biu Vicente

Festa Junina no Ponto de Leitura


2010
06.29

Pelo segundo ano, crianças, jovens e adolescentes que freqüentam o Ponto de Leitura Estrela de Ouro de Aliança realizaram a uma festa junina.

A festa acorreu no sábado, dia 26 de junho e este ano contou com a dança e apresentação de uma quadrilha, iniciativa dos freqüentadores da Biblioteca Mestre Batista.

Ente as brincadeiras uma das que mais alegrou foi a Dança das Cadeiras, repetida quatro vezes, pois todos quizeram participar.

A Dança das Cadeiras - Well, Erica e Wanessa observando as crianças. Foto de Biu Vicente

A preparação da festa ocorreu desde a última semana do mês de maio. A orientação dos ensaios foi realizada por Patrícia, Agente Cultura Viva, e contou com a colaboração de Erica e Danielle, bem como a participação de Wellington e Edilson.

Wanessa, que a cada sábado lidera as atividades recreativas e educativas, tomou a liderança da preparação das comidas.

Mas a tarde começou com a Quebra Panela, muito disputado. A armação se deveu ao trabalho conjunto de Edilson e Wellington. A foto abaixo corresponde ao momento imediatamente anterior à Quebra da Panela.

Quebra Panela - Festa Junina no Ponto de Leitura - Foto de Biu Vicente

Quebrando a Panela - Foto de Biu Vicente

Assim, no início da tarde, o sábado que é sempre de estudo, brincadeira e alegria, ficou mais vivo na Chã de Camará. Foi armado um belo Quebra Panelas, foram realizadas brincadeiras, as quais tiveram como prêmio o prazer de brincar e de ganhar a brincadeira.

Um dos momentos mais engraçados foi formação de duplas que, presas por um cordão, deviam superar a tarefa de andar cerca de cinco mestros. Quando se descobriu que a melhor maneira era saltando em conjunto, tudo parecia ser uma brincadeira de Saci, esse ser encantado de nossas matas, de nossa tradição indígena.

Brincando de Companheiro Saci - Foto de Biu Vicente

Saltando como Saci - foto de Biu Vicente

Depois veio a dança da Quadrilha e os comes e bebes: pipoca, mungunzá, milho cozido e canjica. E forró.

Patrícia e Daniele organizando a mesa

Patrícia e Daniele organizando a mesa - foto de Biu Vicente

 Foi muito bom a presença das mães das crianças e  dos jovens freqüentadores do Ponto de Leitura. A presença delas ajuda e anima os Educadores e os Agentes de Cultura.

 

Dançando o Serrote: Alegria e seriedade na dança coletiva, que ajuda a compreensão dos movimentos e da colaboração na vida.

O Serrote - foto de Biu Vicente

Foi uma tarde muito animada e que continuou até o apagar da fogueira.

Fogueira na Festa do Ponto de Leitura - foto de Biu Vicente

Texto escrito por Severino Vicente da Silva