Archive for the ‘Cultura’ Category

BRINQUEDOS BRINCANTES


2011
08.27

BRINQUEDOS BRINCANTES

Manuela Guedes

Mês de agosto estamos comemorando o Folclore, que nada mais é uma manifestação popular. Pernambuco é riquíssimo nessas manifestações culturais, e por isso resolvemos conversar todos os sábados com os jovens de Chã do Camará. E nessa conversa falamos sobre o Cavalo Marinho e a sua origem, e o que é preciso para montar um Cavalo Marinho. Uma manifestação já vista por esses estudantes, porém entendida. Discutimos um pouco o porquê de tudo aquilo, como por exemplo: a dança dos arcos, quem foi São Gonçalo, falamos a respeito dos instrumentos que são tocados, e quando falei da rabeca, as meninas me perguntaram o que é uma rabeca? Entretanto, são manifestações existentes naquele espaço, porém um pouco desconhecida, longe de seus significados.

Após a conversa a respeito do Cavalo Marinho, conversamos sobre o fantoche que é o fantoche, como ele é visto, como pode ser feito e interpretado, estes souberam responder muito bem, e em seguida partimos para uma produção artística, que fazer a arte também é uma forma de educar.

E falando em arte, a arte tem que deixar de ser vista como algo terciário, a arte tem valor, traz idéias, descobertas, interação com o outro, e é isso que estamos buscando e fazendo. Então, fizemos o fantoche, utilizando material que muitas vezes vai para o lixo, e reciclamos o uso da caixa de ovos. Demos formato ao corpo com essas caixas. Para fazer o cabelo, braço e perna, utilizamos o barbante e muitas cores e brilhos, dando formato ao boneco ou uma boneca, cada um mais lindo que o outro. Os jovens soltaram a imaginação, e depois partiram para uma conversa com os seus bonecos, brincando com os seus bonecos criando histórias.

Um sábado de Adriano


2011
04.02

  

  Bem, meu nome é Adriano estudo no Projeto Leitura no ponto que se localiza no ponto de cultura Estrela de Ouro (sede do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança). Hoje continuamos uma atividade anterior que trata  do amor e seus tipos, vimos tudo sobre o amor ,vimos  um filme que fala do amor lúdico, o amor de amizade  de dois seres, sejam eles humanos ou animais.

   Enquanto nossos sabados estiver bem acompanhado com esse projeto estaremos sempre alegres, aprendemos que há vários tipos de amor: amor Eros, amor Agape, amor Lúdico, amor Dependência,e amor Pragma. Todos são diferentes. Cada um deles  tem um significado diferente, o amor Eros fala sobre o amor verdadeiro; o Agape fala sobre o amor cristão, o amor pela patria e etc. O amor Ludico fala sobre jogos amorosos, amor Dependência, fala sobre o ciume de um casal, o amor Pragma , fala sobre o amor só por interesse. 

  Tento fazer as coisas do meu jeito sempre atraindo o jeito e o foco das poesias nas atividades do Ponto de Leitura; quando pensamos dizer em frases as coisas mais interresantes da vida   sempre tentamos ensiná-las na poesia. Eu não ensino, ensino só aqueles  menores que eu,  que querem aprender. Logo eu, que não ligava para o que é cultura acabei aprendendo a fazer uma coisa comsiderada cultural.  

Bem se você quiser saber mais alguma coisa de poesias minhas acesse o site adansanmlet.blogspot.com , esse é o meu blog de poesias  veja . E em breve verá  tambem meu blog de música .  tchau…

O Natal do Saci Noel


2010
12.20

 Severino Vicente da Silva

Sai Pererê ou Papai Noel

No escrito anterior fiz um pequeno relatório das atividades do Ponto de Leitura e parece que vivemos de festa. É que sempre é festa nos sábado à tarde com as crianças e com os rapazes e moças que chegam para ficarem três horas juntos, de acordo com sua idade e interesse.  São atividades simples, quase sempre em torno de um livro, uma idéia, um comportamento.

 

Vendo, ouvindo e aprendendo canções

Os menores gostam de ver desenhos e de fazer desenhos. Na verdade, todos gostam de ver desenhos, ouvir músicas, cantigas de roda, repeti-las e aprendê-las. Os meninos são mais ativos, corredores, sempre querendo uma atividade que os ponha a alcançar uma bola e mostrar a destreza de seus pés e pernas. Mas eles também ficam quietos quando a história lhes interessa, quando há uma ligação com a sua vida. As cantigas e os livros sempre possuem alguma relação com o dia a dia, afinal é da atividade comum, rotineira, de onde e aonde se faz a beleza da arte, parte da beleza da vida;

Para concluir o ano fizemos mais uma festa, pensada desde algum tempo. Com os rapazes e moças ocorreu a preparação. Teremos Papai Noel ou o Saci Pererê entregando presentes? E teremos presentes, de onde virão? Essa não foi uma preocupação deles.

Mas as meninas-moça e os rapazes resolveram que poderiam cantar uma canção de Natal. Fariam um coral. É que já estão pensando em, no próximo ano formar um grupo de danças culturais, esse que acostumaram de chamar folclórico. Quem formar um grupo que cante Coco e Ciranda. Ederlan disse que iria orientar essa parte. Mas por hora eles e elas preparam um coral para festa de natal.

Os presentes foram embrulhados no Pontão Canavial para tudo está pronto no dia 18.  Um dia que começou cedo para Rogério na limpeza do terreiro, e que teve a ajuda de Edilson nos intervalos que ele encontrava enquanto bordava mais uma gola de caboclo. Enquanto isso Érica e Daniele estavam no interior da casa fazendo os salgadinhos, na cozinha que foi montada este ano. 

 Ainda não era uma hora da tarde, e os senhores e senhoras donos da festa começaram chegar e a ocupar os espaços. Sentaram-se para ouvir canções, outros ocuparam os computadores e ajudaram a organizar a mesa. Ao lado do Ponto de Cultura, Pai Mário trabalhava na organização do louvor que será dedicado a Iemanjá, no Centro Nossa Senhora da Conceição.

Faz-se o tapete no terreiro e vamos contar a história do Papai Noel para olhos, ouvidos, e almas atentas. E vem o Bingo da Amizade, que é o sorteio dos amigos presentes, sendo que a cartela é formada por cada um dos participantes que ali escreve o nome de seus amigos. Ganha o prêmio o quem primeiro completar a cartela. O prêmio é dividido com os amigos. Depois as meninas-moça cantaram a sua canção, superando a timidez. Os rapazes não subiram ao palco.  E então veio o Saci com a carapuça confundida com o gorro de Papai Noel. A carapuça passou de cabeça em cabeça e cada um entregou o presente para o outro.

 Foi assim que os peraltas Sacis da Chã de Camará tornaram-se Papai Noel. Celebramos assim, a festa do Menino Jesus, a tradição do Norte da Europa e as Matas do Norte de Pernambuco.

Feliz Natal para todos.

Pequeno Relatório


2010
12.18

 

Severino Vicente da Silva

Posando em momento para o futuro

 

Ao longo deste Ano da Graça de 2010, o Ponto de Leitura Estrela de Aliança cresceu em experiências que enriqueceram a todos os que participaram das atividades. Neste ano estiveram conosco crianças a partir de 3 anos até jovens de 15 anos. Totalizaram 43 os que freqüentaram as atividades dos sábados.

Sentados para o mamulengo

Meninos, meninas, moças e rapazes foram acompanhados por Érica, Daniele Maria, Daniele Marinho, Rafael, Patrícia, Edilson, e Rogério sob a supervisão de Wanessa e Ederlan. Motivos diversos afastaram dos trabalhos Patrícia e Daniela Marinho, mas continuamos lendo livros, contando histórias, vendo filmes, fazendo desenhos, deixando a imaginação e as personalidades crescerem enquanto os corpos verticalizam, como as plantas que buscam o sol.Ccorrendo no terreiro

Em vários momentos o grupo recebeu a ajuda de Bárbara e Amélia. Essas duas estiveram ativamente no grupo em 2009, mas as atividades de uma nova profissão e aperfeiçoamento nos estudos as afastaram das atividades semanais, mas elas não perderam as festas e “Caminhos do Canavial”. Esta atividade fez parte do Festival Canavial e é um Ônibus Biblioteca que visitou povoados de Vicência, Nazaré da Mata, Condado e Aliança.

Bárbara, Wanessa e Amélia

Naqueles lugares ocorrem contação de histórias, apresentação do Cavalo Marinho Estrela do Amanhã, formado por adolescentes de Condado. Acompanha o ônibus o Mamulengo Flor do Jasmim, do Mestre Calou de Vicência. E ainda teve a palestra do cordelista José Costa Leite, que conta a sua vida e lê suas histórias para as crianças.

A Biblioteca que anda

No Ponto de Leitura algumas datas foram de festa, como o Dia de Cosme e Damião, o dia das Crianças, a Festa de São Pedro e também vamos ter uma festa no Natal, aproveitando para tirarmos um período de descanso. É que o Ponto de Leitura Estrela de Ouro faz parte do Ponto de Cultura Maracatu Estrela de Ouro de Aliança e, agora começa o tempo de se preparar para o carnaval.

 A nossa biblioteca funciona na casa sede do Maracatu e do Ponto de Cultura 

Estrela de Ouro de Aliança que, neste período começa a receber as roupas dos caboclos, das baianas, e de todos os personagens que fazem o mais belo maracatu de baque solto de Pernambuco, o Maracatu Estrela de Ouro de Aliança, fundado pelo Mestre Batista, aqui na Chã de Camará em 1966.

Refletindo as ações

O Filho do mundo


2010
10.14

 

A história do filho do mundo
 
“Aqueles pobres sofridos, que se deslocam de um canto pra o outro em busca da sobrevivência do seu povo e da sua religião”.
Quando uma vida nasce, nasce também um cristão para sofrer seu pobre destino num poço chamado “mundo”. O destino desse cristão seria sofrer, e morrer.
Infeliz destino me teve ao ver o meu maior tesouro, ser machucado por o homem que o destino criou.
Sou eu a triste criança que teve o destino interferido pelo sofrimento, aos meus cinco anos de idade minha mãe se separou de mim e me deixou ao relento de meu pai, que sempre saia pra beber e me deixava com fome, como não tinha nada pra comer eu e meu irmão pegava farinha com açúcar e semeávamos com gosto, pois a sorte me abandonou.
Passado um tempo, eu já estava com uns dez anos na quarta serie apesar da má sorte eu era um aluno exemplar, mas meu pai não reconhecia que eu era diferente dele, que o mundo me criou. Eu não e
todos sabem e um pouco mais.
Hoje eu me sinto bem, mas o que eu sofri não será esquecido assim, “o meu futuro será diferente do meu passado” aqueles tempos de sofrimento já passaram. Minha vida agora é outro, mas o destino ainda interfere na minha vida, minha mãe ainda é separada do meu pai, o que me deixa fora do normal é o simples “amor” eu acho que o que me deixa feliz apesar da tristeza, hoje é quase um dos melhores do projeto “leitura no ponto” projeto fundado em mais ou menos em 2004, localizado no sitio chã do camará {entrada de upatininga, distrito de aliança}.
“eu não me considero normal, são muitos que através da tristeza encontraram a felicidade, já não sou o único.”
              Sou fogo, sou água
              Sou do catolé
              Sou louco, eu sou
               Adriano José.  
 
 
 imaginando, criando
                       
                               Adriano dos santos. Aliança – PE
                                                  (A história do filho do mundo)

História do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança


2010
08.01

HISTÓRIA DO MARACATU ESTRELA DE OURO

Anderson

Anderson treinando fotografia no Ponto de Leitura

 

 O Maracatu Estrela de Ouro foi fundado em 01 de janeiro de 1966, na Chã de Camará, por Severino Lourenço da Silva, dando continuidade à tradição de sua família. O primeiro mestre do Maracatu Estrela de Ouro foi Aprígio Gabriel, as primeiras baianas desse maracatu foram as pastoras do Pastoril de Aprígio Gabriel. A primeira bandeira do maracatu foi comprada do Maracatu Estrela da Tarde.

O Maracatu Estrela de Ouro tem como sócios-fundadores: Severino Lourenço da Silva, Sebastião Francisco de Lima, Sebastiana Maria da Conceição e Luiz Rosa da Silva.

A primeira diretoria do Maracatu: presidente – Francisco dos Santos; vice-presidente –Severino Lourenço da Silva; Secretário – Manuel Francisco de Lima; Tesoureiro – Antônio Vicente da Silva; segundo secretário – José Bernardo Pessoa.

Sou um dos mais antigos da Escolinha (hoje chamada de PROJETO LEITURA NO PONTO). Quando entrei só tinha as seguintes pessoas: Edna, Cláudia.José Marcos, Maiara.

Hoje a Escolinha já deve ter umas 30 pessoas, e tem mais querendo entrar.

O que tem no Projeto Leitura no Ponto?

Sala de computação – onde aprendemos sobre informática;

Biblioteca – onde nos emprestam os livros para lermos em casa;

Cozinha – onde são preparados os nossos lanches;

Terreiro do Ponto – onde fazemos nossas brincadeiras de intervalo;

Sala – onde estudamos e aprendemos um poucos mais sobre tudo.

Nesse projeto aprendemos coisas que nos ajudam no dia-a-dia escolar.

Anderson, à direita do Mestre Mariano, em oficina de Cavalo Marinho

Email andersonjose03@yahoo.com.br

Orkut anderson2010@hotmail.com

Msm andersonbbg@hotmail.com

Resumido após a Leitura do Estrela de Ouro de Aliança: a saga de uma tradição.

foto de Biu Vicente

Festa Junina no Ponto de Leitura


2010
06.29

Pelo segundo ano, crianças, jovens e adolescentes que freqüentam o Ponto de Leitura Estrela de Ouro de Aliança realizaram a uma festa junina.

A festa acorreu no sábado, dia 26 de junho e este ano contou com a dança e apresentação de uma quadrilha, iniciativa dos freqüentadores da Biblioteca Mestre Batista.

Ente as brincadeiras uma das que mais alegrou foi a Dança das Cadeiras, repetida quatro vezes, pois todos quizeram participar.

A Dança das Cadeiras - Well, Erica e Wanessa observando as crianças. Foto de Biu Vicente

A preparação da festa ocorreu desde a última semana do mês de maio. A orientação dos ensaios foi realizada por Patrícia, Agente Cultura Viva, e contou com a colaboração de Erica e Danielle, bem como a participação de Wellington e Edilson.

Wanessa, que a cada sábado lidera as atividades recreativas e educativas, tomou a liderança da preparação das comidas.

Mas a tarde começou com a Quebra Panela, muito disputado. A armação se deveu ao trabalho conjunto de Edilson e Wellington. A foto abaixo corresponde ao momento imediatamente anterior à Quebra da Panela.

Quebra Panela - Festa Junina no Ponto de Leitura - Foto de Biu Vicente

Quebrando a Panela - Foto de Biu Vicente

Assim, no início da tarde, o sábado que é sempre de estudo, brincadeira e alegria, ficou mais vivo na Chã de Camará. Foi armado um belo Quebra Panelas, foram realizadas brincadeiras, as quais tiveram como prêmio o prazer de brincar e de ganhar a brincadeira.

Um dos momentos mais engraçados foi formação de duplas que, presas por um cordão, deviam superar a tarefa de andar cerca de cinco mestros. Quando se descobriu que a melhor maneira era saltando em conjunto, tudo parecia ser uma brincadeira de Saci, esse ser encantado de nossas matas, de nossa tradição indígena.

Brincando de Companheiro Saci - Foto de Biu Vicente

Saltando como Saci - foto de Biu Vicente

Depois veio a dança da Quadrilha e os comes e bebes: pipoca, mungunzá, milho cozido e canjica. E forró.

Patrícia e Daniele organizando a mesa

Patrícia e Daniele organizando a mesa - foto de Biu Vicente

 Foi muito bom a presença das mães das crianças e  dos jovens freqüentadores do Ponto de Leitura. A presença delas ajuda e anima os Educadores e os Agentes de Cultura.

 

Dançando o Serrote: Alegria e seriedade na dança coletiva, que ajuda a compreensão dos movimentos e da colaboração na vida.

O Serrote - foto de Biu Vicente

Foi uma tarde muito animada e que continuou até o apagar da fogueira.

Fogueira na Festa do Ponto de Leitura - foto de Biu Vicente

Texto escrito por Severino Vicente da Silva

ADRIANO, em mim nasceu a cultura.


2010
06.01

Adriano - foto de Biu Vicente

 

Meu nome é Adriano José dos Santos, nasci em Aliança – PE, no dia 30 de setembro em um distrito de Aliança chamado “COHAB”. Comecei a descobrir a cultura dentro de mim quando minha mãe veio morar aqui no Sítio Chã de Camará, localizado no trevo de Upatininga, também distrito de Aliança. Minha mãe, Ana Maria dos Santos, ela brincava de baiana no Maracatu do sítio, o Maracatu Estrela de Ouro. Maracatu muito reconhecido no Brasil todo. Em 2006 surgiu o projeto (Recreação infantil e mediação de leitura na Biblioteca Mestre Batista) e aí entrei e comecei a participar. Esse projeto era no sábado, por isso corria muito, mas nem todo o sábado vinha, pois eu morava na COHAB e nem sempre pude vim para o projeto. Mas nos sábados em comecei a aprender a cultura que havia dentro de mim.

Em 2009 o projeto evoluiu e ganhou um nome, projeto Leitura no Ponto – Escola Sebastiana Maria da Silva. Eu admirava muito a cultura daqui, o Maracatu – que era o mais bonito, o Cavalo Marinho, o Boi Camará, a Ciranda Rosas de Ouro e o Coco Popular de Aliança.

Como eu era pequeno, tinha uns 09 anos, não deixavam eu ficar nas festas do Ponto.

Ainda em 2009 eu fiz um poema chamado “Direitos garantidos para o mundo melhor”, e fui entrevistado na Escola (Adriano cursa o 9º fundamental na Escola Estadual Dom Bosco em Aliança – PE; foi entrevistado pela jornalista Inês Calado do JC – Online para a matéria especial “E o verbo se fez Vida”, disponível no endereço: http://www2.uol.com.br/JC/sites/verbo/index.html ) e fiquei conhecido como “o poeta” em toda a Escola.

Já em 2010 eu fui chamado para brincar de Arreimá no Maracatu Estrela de Ouro, mas eu ainda era muito pequeno, daí não deu certo. Tentei brincar de caboclo, brinquei no carnaval em 02 apresentações, na terceira mudei para o lampião e gostei. Estarei no próximo carnaval se Deus quiser. E agora o meu Tio (padrasto) está fazendo um Coco de jovens e estou muito empolgado com a cultura e sonho quando crescer  ser um grande cantador de marchas de Maracatu.

Adriano José da Silva, 13 anos

adrianojose16@yahoo.com.br

ANDERSON, um jovem de grandes momentos culturais


2010
06.01

Meu nome é Anderson, nasci em Timbaúba, Zona da Mata Norte de Pernambuco, no ano de 1995, no dia 29 de março, e sonho em ser engenho da computação.

Comecei a gostar de cultura popular aos 09 anos, quando minha mãe foi morar no Sítio Chã de Camará – Aliança/PE. Eu vi o Maracatu e dizia: “que coisa bonita!” ficava só na vontade de dançar nas apresentações. Depois o Coco, ficava impressionado com o que eu via, as pessoas dançavam e tocavam sem parar, com vontade de aprender a tocar mas não tinha oportunidades.

Depois de um ano inauguraram o Ponto de Cultura Estrela de Ouro, em 2005. Participei de todas as festas. Com o Ponto de Cultura surgiram vários projetos para aprender a dançar e a tocar o Maracatu, Coco e o Cavalo Marinho, eu participei de todos e aprendia a dançar e tocar todos os brinquedos.

Agentes Cultura Viva e crianças - Foto de Anderson

Em 2006 surgiu o projeto para crianças e adolescentes, eu participei e participo até hoje. Com esse projeto tive oportunidade de desenvolver mais a leitura com atividades na Biblioteca Mestre Batista e o Estúdio Mestre Zé Duda.

Em 2007 teve o Festival Canavial que tive oportunidade de conhecer diferentes culturas, danças, comidas, histórias, maracatus e outros.

Em 2008 o projeto se desenvolveu mais, entrou mais pessoas, Foi tendo mais Festas e Festivais.

2009 foi o ano que mais aconteceram coisas, o Mestre Caboclo do Maracatu Estrela de Ouro me chamou para dançar no maracatu, mas minha mãe não deixou. O nosso projeto ganhou um nome e foi apoiado pelo governo, o nome era Leitura no Ponto e virou uma escolinha – Escola Sebastiana Maria da Silva – ganhamos também o Ponto de leitura, ganhamos mil livros e um computador. O projeto cresceu, começou a ter merenda, salas divididas, eram três professoras: Wanessa, Bárbara e Amélia. Com o excesso de crianças, Cláudia e Layane foram colocadas para ser monitoras da Biblioteca e eu mais Pê (José Marcos) fomos colocados para sermos monitores do computador. Isso foi uma oportunidade enorme para mim. Sabe, eu tive como aprender a mexer mais no computador e passar o que eu estava aprendendo para outras pessoas. Depois de um mês a professora achou muito ruim duas pessoas para uma coisa só, aí ela tirou José Marcos e Layane da monitoração.

Eu até hoje tenho feito isso, fico monitorando as crianças no sábado e quando posso na semana, porque estudo. (Anderson faz o I ano do Ensino Médio na Escola Estadual Dom Bosco na cidade de Aliança)

Ainda em 2009, disse a professora que queria participar da Roda de Mestres (Roda de Mestres – Festival Canavial 2010, Nazaré da Mata – PE), e ela e o Professor Biu Vicente me chamou para comparecer. Roda de Mestres é uma sala cheia de Mestres da cultura, e eles fazem uma roda e conversam várias coisas importantes para as brincadeiras da região. Ganhei diploma, conheci o grande escritor Célio Turino (Secretario de Cidadania Cultural do Ministério da Cultura), que escreve vários livros sobre Pontos de Cultura, ganhei um livro assinado por ele, o nome do livro é: Pontos de Cultura: o Brasil de baixo para cima.

Um projeto foi lançado de uma biblioteca móvel (Biblioteca itinerante – projeto Caminhos do Canavial: leitura, cordel e tradições culturais da Zona da Mata), colocamos todas as coisas no ônibus e levamos o ônibus para vários lugares com sentido de mostrar para as pessoas que na Chã de Camará tem-se projetos para crianças e que o Ponto de Cultura tem como identidade também o projeto leitura no ponto.

Em 2010 o Mestre dos Caboclos do Maracatu me chamou de novo para participar, e minha mãe dessa vez deixou. Eu saí de caboclo de lança, foi muito bom, isso foi outra oportunidade para mim, gostei muito, no próximo ano irei participar de novo.

Esse ano está sendo muito bom para mim, estou tendo a chance de mostrar a minha história na internet, para todas as pessoas conhecerem e contar para outras pessoas.

Quero manter a cultura viva no lugar de Ederlan, com a computação e o Maracatu.

Anderson José dos Santos, 15 anos

andersonjose03@yahoo.com.br

Como começou


2010
05.02

 

Pintando os sonhos - Foto de Biu Vicente
Pintando os sonhos – Foto de Biu Vicente 

 

O Ponto de Leitura Leitura no Ponto tem uma origem longa. Essa história de a gente se encontrar aos sábados começou com um grupos de jovens estudantes da Faculdade de Formação de Professores de Nazaré da Mata. Eram estudantes de História, em sua maioria, mas havia gente de Geografia. Eram doze rapazes e moças. Havia grupo de alfabetização de adultos, grupo de estudos para fazer exames supletivos, grupo de mulheres e também as crianças, e para essas havia atividades de recreio e estudos. E tudo isso ligado à Biblioteca Mestre Batista. Depois de um tempo, por razões diferentes, os grupos foram diminuindo de atividades, embora as mulheres houvessem criado interesse por artesanatos. Mas as crianças ficaram e era importante que o Ponto de Cultura Estrela de Ouro não perdesse contato com as crianças.

Preparando outro sonho - foto de Biu Vicente
Preparando outro sonho – foto de Biu Vicente 

O entusiasmo de Wanessa e Bárbara foi importante. Então foi apresentado um projeto para a Fundarpe com o nome Leitura no Ponto que foi aprovado e o entusiasmo cresceu porque a gente recebeu a presença de Emília e também Patrícia. Depois, a gente teve a alegria de receber o prêmio da Biblioteca Nacional, reconhecendo o trabalho como PONTO DE LEITURA e como parte do Sistema Nacional de Bibliotecas. Ganhamos computadores, livros e estantes. E depois vieram os brinquedos.

Wanessa, as crianças e uma caixa de leituras - Foto de Biu Vicente
Wanessa, as crianças e uma caixa de leituras
 Foto de Biu Vicente 

Todos os sábados o Terreiro do Ponto de Cultura Estrela de Ouro tem a cara do Ponto de Leitura Estrela de Ouro, um lugar que é o ponto de encontro dos pequenos caboclos e caboclas que brincam e fazer crescer a alegria, a inteligência e a amizade.

Texto escrito pelo prof.  Severino Vicente da Silva