Posts Tagged ‘contação de história’

Gabi


2011
11.12

Gabi veio me procurar e pediu para dizer um pouco do seu sentimento no Ponto de Cultura e na BiBlioteca Mestre Batista
eis o que ela disse:

Sou Gabi, meu nome completo é Gabriela Estéfano Meneses de Moura, moro na Chã de Camará, tenho 11 anos e estuda no Quinto Ano na Escola Municipal Chã de Camará. Gosto de estudar, de brincar. Gosto de jogar futebol. A minha professora é Ana Alice e ela passa tarefas de português, Matemática, Ciência, Geografia, História, Inglês, Religião e Redação.
Todos os sábados eu vou ao Ponto de Cultura Estrela de Ouro, vou estudar com as professoras Wanessa e Manuela, e conheço as professoras Daniela e Érica. Também conheço os professores Biu Vicente e Ederlan. Gosto muito de ler livros da Biblioteca Mestre Batista. Outro dia li um livro das cem melhores poesias brasileiras. Outra atividade que faço é dançar no Maracatu Estrela de Ouro de Aliança, saio como uma índia.

A minha vida muda quando estou no Ponto de Cultura Estrela de Ouro porque fico feliz.

Prof. Biu Vicente

Um pouco de Milena


2011
11.12

Hoje quem conta um pouco sobre o Ponto de Leitura é Milena. Ela ficou me dizendo as palavras e eu fui escrevendo, ajudando a dar forma. O Importante é o texto dela

UM POUCO DE MILENA

Meu nome é Milena Rosângela Nunes do Nascimento, eu tenho doze anos de idade e moro Assentamento Margarida Alves, que fica em Aliança. Eu tenho cinco irmãos. Meu pai ele toca “mineiro” no Terno do Maracatu. Eu estudo na Escola Municipal Chã do Camará, faço a terceira série. Eu faço tarefas de matemática, português e levo tarefa para fazer em casa.

Aos sábados vou para a sede do Maracatu Estrela de Ouro de Aliança, onde funciona a Biblioteca Mestre Batista que faz parte do Ponto de Cultura. Eu venho com meus irmãos Maria José que é conhecida por Nana, e Breno. Na Biblioteca eu encontro Manuela e Érica e Daniela que são as orientadoras.
Hoje eu fiz desenhos de gato, rato e manteiga e depois pintei. Isso fez parte uma história sobre um Gato e um Rato. Foi uma história em o Rato enganou o Gato. o rato dizia que ia para uma festa, para enganar o gato. O rato dizia era a festa dos sobrinhos que se chamava Média, Pouquinho e Vazio. Na verdade o Rato comia a manteiga e Médio era quando o pote de manteiga estava pela metade, Pouquinho era quando ainda havia manteiga e vazio quando já não tinha nada.
Eu tenho uma carteirinha da Biblioteca Mestre Batista, ela serve para tomar livro emprestado e levar para ler em casa. Todos os sábados eu levo um livro e devolvo no sábado seguinte. Já levei para ler em casa a revista do Sítio do Pica-Pau Amarelo.

prof. Biu Vicente

amizade e meio ambiente


2011
04.02

Após o período de carnaval, quando as instalações do Ponto de Cultura Maracatu Estrela de Ouro ficou totalmente dedicado às sambadas e ao Maracatu, o Ponto de Leitura voltou às suas atividades rotineiras, recebendo as crianças e os jovens adolescentes.

Na programação do mês de março foi posto como tema central a idéia de AMIZADE, de AMOR. Em torno desses temas, cada um dos educadores, em seus grupos realizaram tarefas. Foram criadas histórias, e elas foram expressadas em diversas linguagens: contadas, pintadas e todos exprimiram criatividade.

Uma ansiedade está envolvendo o grupo dos maiores: estão na construção de um grupo musical que querem formar; tocar, cantar e dançar o Coco. Ao mesmo tempo continuam a debater sobre amizade. Estão vendo um desenho animado construído na Universidade Estácio de Sá do Rio janeiro, com Marcos Nanini narrando Velha História de Mário Quintana. Coisa mais engraçada esta de em uma sala encontram-se as mais diversas porções de criatividade formadora da amizade brasileira

Noutro espaço da casa um grupo intermediário está discutindo a amizade dos animais com a natureza, com a leitura e a contação de outra história, sobre um macaco. É que no mês de abril o debate será sobre essa amizade com o meio no qual a gente vive.

Capacitação em contação de histórias


2011
03.19

Nosso projeto Leitura no Ponto pretende alcançar vários objetivos secundários em torno de seu objetivo principal que é formar leitores aqui, na borda dos canaviais de Aliança, no entroncamento que leva a Upatininga. A formação de leitores está relacionada a idéias muito comuns, tradicionais, como a arte de saber conversar, a arte de contar histórias, a arte de ouvir com atenção aquilo que nos é dito.

O que é um livro senão uma história que vem sendo contada desde que foi pensada e depois escrita? Ficar com um livro na não é ficar com um contador de história junto da gente, é conversar e acompanhar e imaginar os pensamentos, os personagens que o autor inventou.

 Mas a leitura é um hábito que se aprende desde a infância, quando a gente tem a oportunidade de ver quando uma pessoa mais velha toma um livro na mão; quando isso acontece, ela desvenda os mistérios ali para uma criança que crescerá. Haverá um momento que a criança compreenderá que os sonhos e realidades podem ser organizados em palavras e que as palavras fazem surgir novos sonhos e realidades.

Mas é difícil tornar a leitura um hábito para crianças cujos pais não tiveram a oportunidade de ir a escolas? Como fazer a criança experimentar a alegria da leitura e do estudo quando estão acostumadas ouvir : “se não se comportar vai estudar”. O livro passa a ser um inimigo a ser evitado.

Nossos encontros com livros e alegrias têm trazido bons resultados, pois terminamos o ano com 40 freqüentadores de nossos sábados e iniciamos este ano de 2011 com 40, mas vieram outros com promessa de serem freqüentadores após o carnaval, assim disseram suas mães. Mas como atender esse interesse? Como nos tornarmos melhores?

Pensando nisso, neste mês de fevereiro tivemos quatro sessões de estudos para melhorar a nossa atuação na Arte de Contar histórias. A educadora e profissional de técnicas de informação, Andréa Batista, que nos auxiliou a organizar a Biblioteca Mestre Batista, do Ponto de Cultura Estrela de Ouro de Aliança, esteve com Daniele Maria, Érica Fernandes, Wanessa Santos, Rogério, Manuela Guedes e Amélia Patrícia para transmitir parte de seus conhecimentos nessa bela arte. Assim nos capacitamos para sermos melhores educadoras, pois entendemos que todos os moradores na Zona da Mata Norte, precisam ser, cada vez mais, melhores para servir as crianças da Chã de Camará e sua vizinhança.